Infância no outro lado do mundo

Olá amores, como vocês estão ?! 😀

Para quem não sabe, eu morei no Japão durante 5 aninhos da minha vida ❤
Fui pra lá em 2004, com quase 8 anos, e voltei em 2009, com quase 13, algo assim.
Esse ano faz 7 anos que voltei e estou morando no interior de São Paulo.

3585816564_201e19a201_o2

Aqui no Brasil, muitas pessoas adoram o Japão e falam que o sonho é ir conhecer o outro lado do mundo. Também é muito popular a culinária japonesa e os animes.
Hoje eu vim contar pra vocês, como é morar lá, a escola, como foi minha adaptação numa cultura muito diferente e como nós estrangeiros somos tratados. 🙂 

Como citei ali em cima, eu sai do Brasil com 7 aninhos, uma pirralha. Fui eu e meu irmão, que na época tinha 13/14 anos. Duas crianças atravessando o mundo :p
Eu não me lembro muito bem, mas acho que quando eu fui, eu pensei que só iria passar as férias lá e voltar.
A primeira coisa incrível que eu me lembro, foi quando andei de trem pela primeira vez lá, e no trem tinha tipo “aeromoça” só que de trem (como que elas se chamam gente? scr.), e elas conversavam comigo, como se eu entendesse alguma coisa, mas minha mãe traduziu para mim (eu não me lembro da conversa).
Algo que eu amei de primeira foram os doces ❤ ❤ ❤ Gente, os doces de lá parecem coisa de outro mundo, presente dos deuses, fabricado por Deus, tudo divino, caramba me deu fome.
6780863934_0544de353f_o
(via: Visual Hunt)

O meu primeiro dia na escola, foi o dia mais engraçado dos 5 anos que eu estive lá. Eu me lembro que cheguei em julho, e fui só alguns dias para escola e depois já era férias de verão (natsuyasumi).
Eu era uma criança de 7 anos, eu não falava japonês, não entendia, não lia e nem escrevia. Imagina só como foi meu primeiro dia?!
Um monte de japonês veio falar comigo e eu não entendia nada, nada, nada, naaaaaaaaaaaaaaada. E na época, não tinha nenhum brasileiro na escola, então uma menina (Emiko-chan <3), que era peruana se eu não em engano, me ajudava, mas ela falava em espanhol! Ok, hoje eu consigo me comunicar normalmente com quem fala em espanhol, mas na época eu era criança, eu conseguia entender poucas coisas que ela falava.

Sim, eu passei altos apuros, até briguei com algumas pessoas por causa desse tipo de falta de comunicação. Mas hoje em dia quando me lembro, eu dou muita risada.

A escola que eu estudava (Nakatsu-Shougakkou) era popular por ter muitos estrangeiros lá. Então tinha uma sala que se chamava “Nihongogakyou” (algo assim), que era para estrangeiros que não sabiam japonês. Foi lá que eu aprendi japonês. Duas vezes por semana ia uma professora brasileira e ela me ajudou MUITO, muito mesmo!

O Ensino fundamental (Shougakkou) é da 1ª a 6ª série, de tempo integral. Das 08:20 até mais ou menos 16:00 (eu não me lembro exatamente).
Para ir a escola, nós nos reuníamos em grupos de crianças que moravam perto, e íamos para a escola em fila. O mais velho era o líder, que ficava na frente e levava a fila, e depois ia por ordem de idade.
3857574013_38f6b9a91b_o
(via: Visual Hunt)

Chegávamos, o sinal batia e todo mundo tinha que ler um livro (qualquer um), no horário de leitura, que era mais ou menos uns 20 minutos (incentivo a leitura <3). Depois de duas aulas, tinha o intervalo, depois mais duas aulas. Depois da quarta aula, tinha o almoço ❤ ❤ ❤ ❤
522281740_c1d507abbf_o
(via: Visual Hunt)
Aí vem outra história minha, do meu primeiro almoço na escola japonesa. Eu não sabia comer de hashi (aqueles pauzinhos). Será que eu passei alguns apertos?!
O importante é que eu aprendi. 
Ah! Lembrando que na hora do almoço, os próprios alunos se serviam. Toda semana tinha um grupo de crianças que servia os demais alunos, e toda semana trocava o grupo.
3585014905_ca4ae4c049_o
(via: Visual Hunt)

Depois do almoço era o que eu mais detestava, o “Souji”, limpeza! No Japão não tem faxineiras na escola, e quem limpa as escolas são os próprios alunos. Eu detestava de verdade, mas depois de voltar ao Brasil e ver a situação que é as escolas aqui, vejo que siiim, é uma boa ideia os alunos limparem as escolas.
Depois do souji, tinha mais um intervalo e depois a última aula. E para ir embora era mais ou menos o mesmo esquema, nós nos reuníamos, mas dessa vez com crianças da mesma série que moravam perto e ia embora.

E pra finalizar esse post que está ficando muito longo, como os japoneses tratam os estrangeiros.
Bem, em todo lugar do mundo existem pessoas boas e ruins e o Japão não é diferente. Mas lá as pessoas são 8 ou 80. Ou é muito boa ou é o tio Lú em pessoa (que é a minoria).
Existem alguns japoneses que não gostam de estrangeiros (gaijim), e praticavam “ijime” (bullyng), na escola que eu estudei tinha apenas 1 ou 2 pessoas que me incomodavam um pouco. Quando os professores viam que alguém tratava mal algum gaijim, eles levavam umas broncas marota, e era muito legal de ver. muahaha.
Mas no geral, as pessoas são muito educadas e sempre que possível, faziam de tudo para ajudar quem precisasse. Até mesmo aquelas que tinham o coração negro. Que maldade falar isso haha.

Bem é isso!
Se vocês quiserem que eu fale sobre algum outro assunto sobre o Japão, ou até mesmo falar mais sobre as escolas, deixe seu comentário aqui ou me mande um e-mail 😉
Beijinhos amores, até mais ❤

Anúncios

4 comentários sobre “Infância no outro lado do mundo

Deixe o seu comentário ! :D

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s